O Observatório Social na mídia de São Leopoldo

Publicado para | Destaque | Secundário em 01 de agosto de 2018 14:26

Em visita ao Jornal VS na última sexta-feira (27), o presidente substituto do Observatório Social do Brasil – São Leopoldo – RS (OSBSL), André Mariano Osinski, e o vice-presidente de produtos e métodos, Eduardo Werneck apresentaram os resultados dos trabalhos realizados no primeiro quadrimestre de 2018. O grupo, que começou a atuar no Município em outubro do ano passado tem como carro-chefe a análise de licitações realizadas pelo poder Executivo. O Observatório é formado por voluntários e conta também com associados contribuintes e mantenedores.

De acordo com os integrantes, o grupo busca melhorar a gestão do dinheiro público além de estimular a educação fiscal entre os leopoldenses. “Nosso objetivo é mais colaborativo do que fiscalizador. Quando encontramos alguma falha no processo, apresentamos à Prefeitura, apontando o que localizamos em desconformidade com a legislação. Já houve licitação que foi suspensa para que fosse implementada alguma sugestão nossa. Até hoje sempre fomos muito bem recebidos pelo Executivo”, comenta Werneck.

Segundo ele, o projeto-piloto, quando da criação do núcleo leopoldense do Observatório Social, analisou a compra de veículos para o Serviço Municipal de Água e Esgotos (Semae). Agora, de janeiro a abril, mais experientes, e com um quadro de 28 voluntários eles conseguiram analisar 16 das 31 licitações publicadas pela Prefeitura. Conforme relatório apresentado, foram encaminhados 17 ofícios dirigidos à estrutura do Executivo indicando revisões no processo. Todos foram atendidos. O valor total licitado nos procedimentos monitorados foi de R$3.529.901.676,12. Foram R$3.988.253,56 em contratos emergenciais e R$458.209,81 em compras por dispensa de licitação. Outros dados apontados revelam que 92% das empresas que participam de licitação são de fora do Município. Dos cinco contratos emergenciais nenhum é com empresa da cidade, e das 24 por dispensa de licitação realizadas, apenas cinco são com empresas leopoldenses. “Nossa ideia é capacitar micro e pequenas empresas da nossa cidade para que elas também participem dos processos de compra”, afirma Werneck.

Busca por novos voluntários e mantenedores 

Presidente substituto do Observatório Social de São Leopoldo, André Mariano Osinski, comenta que a associação busca por novos voluntários e mantenedores. Os encontros acontecem semanalmente na sede do Observatório na Rua Lindolfo Collor, 439/ 5o andar, no Centro. O candidato a voluntário deve ser maior de 18 anos, dispor de tempo semanal para atividades de capacitação, não ser filiado a partido político e não ter vínculo empregatício ou outro com a estrutura da administração verificada.

Informações pelo telefone 51 3037.6065 ramal 201 e 51 99205 3488 ou pelo e-mail saoleopoldo@osbrasil.org.br. Na cidade, conforme Osinski, as atividades são desenvolvidas, atualmente, por 28 voluntários e sustentadas por 25 mantenedores, pessoas físicas ou jurídicas. No País, existem hoje 134 observatórios sociais espalhados por 16 estados.

Por Renata Strapazzon
Via Jornal VS

ObservatórioSocial de São Leopoldo

O Observatório Social do Brasil é uma instituição não governamental, sem fins lucrativos, disseminadora de uma metodologia padronizada para a criação e atuação de uma rede de organizações democráticas e apartidárias do terceiro setor. A Rede OSB é formada por voluntários engajados na causa da justiça social e contribui para a melhoria da gestão pública.